Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva

Ecocardiograma Fetal: o que é e quando fazer.

Ecocardiograma Fetal: o que é e quando fazer.

Método não invasivo para detectar doenças do coração ainda no útero.

O Ecocardiograma é um exame de Ultrassonografia do coração que fornece imagens obtidas através dos diferentes graus de refração de ondas sonoras de alta frequência (acima de 20.000 ciclos por segundo), muito além, portanto, da capacidade humana de audição.

 

Um transdutor (a varinha do Ecocardiograma que emite as ondas sonoras para o coração) deslizado sobre o peito do paciente emite essas ondas, as direciona para estruturas do coração do paciente e capta o eco delas, transformando-o em imagens.

 

Assim, a Ecocardiografia pode fornecer imagens estáticas e em movimento dos músculos e das valvas cardíacas e o mapeamento em cores do fluxo sanguíneo pela técnica Doppler, permitindo identificar a direção e velocidade do fluxo sanguíneo no interior das cavidades cardíacas.

 

Há várias modalidades de Ecocardiograma, mas as mais evoluídas, em associação com o Doppler, oferecem imagens coloridas em 3D, capazes de possibilitar a visualização de detalhes anatômicos e funcionais mínimos do coração.

 

O exame também pode ser realizado no feto em gestação, permitindo um diagnóstico muito precoce de eventuais anomalias cardíacas e possibilitando intervenções ainda no interior do útero.

 

Por tratar-se de um exame que não apresenta efeitos colaterais, ser de custo relativamente baixo e de fácil operacionalidade e transporte, além de seu excelente alcance diagnóstico, o Ecocardiograma tem grande destaque na cardiologia moderna.

 

 

O que é Ecocardiograma Fetal?

 

O Ecocardiograma Fetal (também chamado de eco fetal) é um ultrassom realizado através da parede abdominal da grávida e dirigido ao coração do feto em gestação, para mostrar a estrutura daquele órgão e o quão bem ele está funcionando. O exame, não invasivo e indolor, é semelhante a uma Ultrassonografia de rotina. É feito em uma sala escurecida, enquanto a grávida está deitada. Não há necessidade de nenhum preparo especial da mãe para fazer esse exame; o único cuidado que ela deve ter é não usar loções ou cremes na barriga no dia do procedimento.

 

O médico colocará sobre a barriga da grávida um gel que ajudará o transdutor a deslizar sobre o abdômen e as ondas sonoras a chegarem ao coração do bebê. O Ecocardiograma Fetal também pode ser feito no início da gravidez (12ª semana) por via vaginal. Um pequeno transdutor de ultrassom é inserido na vagina, repousa na parte de trás daquele órgão e fotos do coração do bebê podem então ser tiradas.

 

O Ecocardiograma Fetal pode levar de 30 minutos a 2 horas, dependendo das imagens necessárias e porque uma certa posição do bebê pode dificultar a visão do coração, de modo que pode ser necessário esperar por uma melhor posição. Às vezes, um outro Ecocardiograma Fetal precisará ser feito em outro dia.

 

 

Por que fazer um Ecocardiograma Fetal?

 

O Ecocardiograma permite avaliar a saúde do coração do bebê ainda no útero materno. Por meio de registros dos músculos e válvulas cardíacas, o exame mostra o tamanho e o desenvolvimento do coração do feto. A Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda a realização de rotina desse exame na fase pré-natal em todas as gravidezes, mas principalmente nas gestações de bebês que pertençam a algum grupo de risco para doenças cardíacas, porque os outros exames, como o ultrassom morfológico, por exemplo, não possibilitam o diagnóstico de cardiopatias congênitas desenvolvidas pelo bebê durante a gestação.

 

Além disso, os médicos podem solicitar um Ecocardiograma Fetal quando supõem qualquer problema importante nas paredes e válvulas do coração do bebê em desenvolvimento, bem como nos vasos sanguíneos que chegam e saem do coração e na força de bombeamento do órgão. Ele pode ser feito ainda por vários outros motivos, incluindo uma história familiar de certos problemas cardíacos; a gestante ter uma condição médica que possa afetar o coração do bebê; o bebê ter um distúrbio genético; uma anormalidade percebida numa Ultrassonografia de rotina durante a gravidez; ou por o coração do bebê não ter ser visto bem em um ultrassom obstétrico de rotina.

 

Algumas intervenções médicas (cirúrgicas e/ou medicamentosas) podem ser feitas sobre o coração do feto ainda no interior do útero.

 

Em suma, no que concerne ao feto, as principais indicações são:

 

    • gestações múltiplas;

    • arritmias;

    • retardo no crescimento intrauterino;

    • e malformações congênitas.

 

Da parte da mãe, as indicações principais são:

 

    • gestações em mulheres muito novas (adolescentes) ou após os 35 anos;

    • se a mãe teve algum aborto anterior;

    • se sofre com cardiopatia congênita;

    • se tem diabetes mellitus;

    • se apresenta infecções virais;

    • se apresenta colagenoses;

    • ou se faz uso de alguns tipos de drogas lícitas ou ilícitas.

 

Do lado familiar, o Ecocardiograma Fetal deve ser indicado se:

 

    • houver histórico de cardiopatias congênitas;

    • ou histórico de síndromes hereditárias que possam afetar o coração.

 

 

Quando fazer o Ecocardiograma Fetal?

 

O Ecocardiograma Fetal pode ser confiavelmente feito a partir de 17-18 semanas de gestação. No entanto, tecnologias mais recentes, incluindo transdutores endovaginais, podem ser usadas com segurança para obter imagens do coração a partir de 12 semanas de gestação.

 

Se o exame é feito de rotina, costuma ser recomendado entre a 18ª e a 28ª semanas de gestação. Quanto mais avançada a gravidez, mais possível será visualizar as eventuais alterações estruturais ou funcionais do coração do feto.

 

Quando a gravidez é considerada de alto risco, o obstetra pode indicar o teste a partir das 14 semanas, ou mesmo antes, e repeti-lo outras vezes. Se o exame for feito antes de 18 semanas, a paciente provavelmente será solicitada a retornar mais tarde para que novo exame possa obter imagens mais definitivas que confirmem ou não as descobertas iniciais.

 

O Ecocardiograma Fetal permite o planejamento das ações da equipe médica durante a gestação e no pós-parto imediato, além do preparo emocional da família para receber o recém-nascido. Esse planejamento é fundamental, pois as cardiopatias congênitas afetam 1 em cada 100 bebês e 90% deles não apresentam fatores de risco conhecidos.

 

 

Quais são as complicações possíveis com o Ecocardiograma Fetal?

 

O Ecocardiograma Fetal é um exame seguro, tanto para o bebê em gestação quanto para a mãe, e não é sujeito a complicações.

 

 

Fonte: AbcMed. "Ecocardiograma fetal". Publicação autorizada sob licença do AbcMed.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez

Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post