Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
O colesterol pode ser um fator de risco?

O colesterol pode ser um fator de risco?

Ele é essencial para o funcionamento do nosso organismo. Mantenha sempre seus níveis controlados.

O que é

 

O colesterol é um composto orgânico complexo vital para o funcionamento do organismo. Presente no sangue e em todos os tecidos, ele contribui para a produção do hormônio cortisol e dos hormônios sexuais, de vitamina D, de ácidos envolvidos na digestão de gorduras e também tem papel importante na estrutura e regeneração das células dos animais.

 

Embora a maior parte do colesterol nos seres humanos seja produzido pelo próprio organismo, ele pode ser obtido em alimentos como ovos, carnes e leite integral. Sua presença é indispensável para o funcionamento equilibrado das funções vitais, porém, quando em excesso na circulação sanguínea, ele pode trazer algumas complicações.

 

A mais comum delas é a formação de placas de gordura nas artérias que levam ao endurecimento e entupimento dos vasos sanguíneos, a denominada aterosclerose. Com a obstrução dos vasos, o coração recebe uma quantidade menor de oxigênio e nutrientes, tendo suas funções comprometidas e levando a doenças como angina, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e até a morte súbita. Quando acomete as artérias carótidas e cerebrais, pode levar até a acidentes vasculares cerebrais (AVC) ou derrames.

 

A causalidade entre a elevação do colesterol do sangue e as doenças cardiovasculares foi demonstrada em robustos estudos que envolveram mais de 800.000 indivíduos seguidos por até cinco décadas e esta relação indubitável é reconhecida em meios Acadêmicos sérios, pelas Sociedades Médicas, pela Organização Mundial da Saúde e agências regulatórias como o FDA dos EUA e a EMEA na Europa.

 

Tipos e causas

 

O que influencia se o colesterol é saudável ou prejudicial a saúde é o tipo da lipoproteína (pequena estrutura formada por lipídios e proteínas) que carrega os lipídeos na circulação que predomina no sangue. Existem, portanto, dois tipos de colesterol: o bom e o ruim. A HDL (High Density Lipoprotein, em inglês) recolhe o colesterol acumulado nos vasos sanguíneos para eliminá-lo pelo fígado. Já o ruim, a LDL (Low Density Lipoprotein), quando acumulada, pode provocar o entupimento das artérias.

 

A LDL carrega o colesterol do fígado para as artérias. Dessa forma, quanto mais alto LDL-colesterol, ou seja, o colesterol carregado pelas LDL, e mais baixo o HDL-colesterol (aquele carregado pelas HDL) maior será o risco de doenças cardiovasculares, o contrário com raríssimas exceções também é verdade.

 

Dentre as causas de LDL-C elevado podemos citar alimentação desbalanceada, excesso de peso, uso de alguns medicamentos como corticosteroides e para tratamento do HIV e causas genéticas. Destas últimas devemos enfatizar a hipercolesterolemia familiar (HF) que afeta um em cada 260 pessoas no Brasil, que tem transmissão autossômica dominante, ou seja, afeta 1 em cada 2 indivíduos na mesma família e adianta em 10-15 anos, se não tratada, o risco de problemas cardiovasculares.

 

Obviamente o papel do LDL-colesterol como causa de doenças cardiovasculares é potencializado pela presença de outros fatores de risco como diabetes, tabagismo e pressão alta.

 

Fatores de risco

 

Alimentação rica em gordura saturada, excesso de peso, sedentarismo, consumo abusivo de bebidas alcoólicas, estresse, hereditariedade, idade e sexo. As mulheres costumam ter um aumento no nível do colesterol ruim após o início da menopausa.

 

Sinais, sintomas e diagnóstico

 

O colesterol elevado não tem obrigatoriamente sintomas. Em raros casos o excesso de colesterol do sangue pode levar a formação de nódulos nos tendões (xantomas) e manchas amarelas em volta dos olhos (xantelasmas). Na maioria das vezes, os sinais aparecem em consequência da formação das placas de gordura nas artérias, quando a situação já pode estar avançada.

 

Quando atinge as artérias coronarianas, levando à angina do peito e infarto do miocárdio, os sintomas mais comuns são dores no peito (peso, aperto, queimação ou até pontadas), falta de ar, sudorese, palpitações e fadiga. Nas artérias cerebrais, os sintomas neurológicos que levam ao acidente vascular cerebral podem ser formigamentos, paralisias, perda da fala e sonolência.

 

É fundamental avaliar os níveis de colesterol regularmente. Para aqueles que têm histórico familiar de doenças cardiovasculares precoces, ou seja, em familiares de primeiro grau do sexo masculino (pai e irmãos) e feminino (mãe e irmãs) que sofreram um evento cardiovascular respectivamente antes dos 55 e 65 anos, ou de colesterol alto na família, o acompanhamento deve ser feito desde a infância. A partir dos 20 anos, a medição deve ser de cinco em cinco anos. Caso esteja alterado devera ser checado mais regularmente a critério médico.

 

O diagnóstico e o acompanhamento são feitos por meio de um exame sanguíneo, que avalia as taxas do colesterol total, do HDL-colesterol e do LDL-colesterol. Outro tipo de lipoproteína rica em colesterol denominada lipoproteína(a) ou [Lp(a)] pode ser determinada em casos de pessoas com doença cardiovascular precoce familiar, nos casos de hipercolesterolemia familiar, ou quando o LDL-colesterol não é reduzido de forma eficaz pelo tratamento com estatinas.

 

Tratamento e redução do risco cardiovascular

 

A intensidade do controle do colesterol com alimentação e ou medicamentos depende do risco cardiovascular do indivíduo. Em indivíduos de alto risco, principalmente aqueles que já sofreram um evento cardiovascular, em diabéticos, em indivíduos com vários fatores de risco associados, quando existe extensiva aterosclerose subclínica (presença de placas coronárias em exames como angiotomografia de coronária ou escore de cálcio) ou nos portadores de hipercolesterolemia familiar recomenda-se controle intensivo do LDL-colesterol (reduções superiores a 50% dos valores iniciais do indivíduo).

 

Em indivíduos com graus menores de risco o controle pode ser menos intensivo, reduções de 30-50%. Além de alimentação pobre em gorduras saturadas, com aumento no consumo e mono e poli-insaturados (óleos de oliva, canola e soja) recomenda-se mudanças no estilo de vida como cessão do tabagismo, atividade física regular e perda de peso se houver obesidade.

 

Existem medicamentos que atuam na diminuição dos níveis do LDL-colesterol, o colesterol ruim, e podem levar a um pequeno aumento nos índices do bom colesterol.

 

É importante enfatizar que quando bem indicados e em indivíduos sob-risco esses medicamentos reduzem de forma significativa o risco de infartos, derrames, necessidade de cirurgias cardíacas e angioplastias e até mesmo o risco de morte. O benefício será proporcional ao risco, ao tempo de tratamento e a redução do LDL-colesterol.

 

Os benefícios dos tratamentos superam em muito possíveis eventos adversos como problemas musculares ou risco de aparecimento de diabetes.

 

Prevenção do colesterol alto

 

A melhor forma de prevenir o aumento do colesterol ruim é aliar exercícios físicos à alimentação saudável, evitando o consumo exagerado de gorduras saturadas, óleos de coco e dendê, carne vermelha em excesso, gema de ovo, manteiga, laticínios, mortadela, salame, queijos amarelos e alimentos industrializados.

 

A redução do consumo de álcool e a cessação do tabagismo também são indispensáveis para a manutenção da saúde e dos níveis de colesterol (cigarro reduz o HDL-colesterol). Entretanto, é importante lembrar que em indivíduos com predisposição genética a colesterol alto a dieta embora possa ajudar será insuficiente na maioria dos casos.

 

 

Fonte: Hospital Israelita Albert Einstein. "Fator de risco: Colesterol". Por Dr. Raul Dias dos Santos Filho. Conteúdo Editado. Autorizado sob licença CC BY-ND 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post