Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Infecção hospitalar. Prevenção e controle são fundamentais.

Infecção hospitalar. Prevenção e controle são fundamentais.

Controlar a infecção é assegurar a qualidade dos atendimentos prestados e dos serviços oferecidos pela instituição.

Anualmente, o dia 15 de maio marca o combate às infecções hospitalares. Segundo dados do Ministério da Saúde, o problema pode atingir até 14% das pessoas internadas. Além de causar complicações e até mortes, a infecção hospitalar torna o tempo de internação maior e aumenta exponencialmente os custos da assistência médica.

 

Os números alarmam, mas a prevenção é possível. Pensando nisso, vamos tirar algumas dúvidas e mostrar o que pode ser feito por pacientes e hospitais para ajudar no controle de infecções relacionadas à assistência à saúde.

 

O que é a infecção hospitalar?

 

Infecções hospitalares são aquelas relacionadas à assistência à saúde – as chamadas IRAS. É necessário, então, observar o tempo de internação.

 

Convencionou-se chamar de IRAS toda manifestação clínica de infecção que se apresentar a partir de 72 horas após a admissão (internação do paciente), quando se desconhece o período de incubação do agente etiológico e quando não houver evidência clínica ou dado laboratorial de infecção no momento da internação”, explica o Dr. Fernando Gatti de Menezes, coordenador médico do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do Hospital Israelita Albert Einstein.

 

Quais são as principais infecções?

 

Segundo o especialista, as principais infecções relacionadas à assistência à saúde são:

 

    • infecção da corrente sanguínea associada a cateter venoso central;

    • pneumonia associada à ventilação mecânica;

    • infecção do trato urinário associada a cateter vesical;

    • infecção de sítio cirúrgico.

 

O que causa uma infecção hospitalar?

 

Pode-se observar que essas infecções estão, na maioria dos casos, relacionadas à manutenção (uso) de dispositivos chamados “invasivos”, pois são colocados dentro do corpo do paciente — como o cateter venoso central, o cateter vesical, o ventilador mecânico — ou, no caso da infecção de sítio cirúrgico, relacionadas a procedimentos cirúrgicos.

 

Por isso, é tão importante estabelecer estratégias de prevenção, relacionadas ao controle de qualidade da inserção e manutenção dos dispositivos invasivos ou do controle do pré, do intra e do pós-operatório.

 

O trabalho preventivo não se limita apenas ao hospital. O paciente e sua família também devem assumir alguns cuidados simples, mas fundamentais.

 

Como o paciente pode ajudar a evitar infecções?

 

Um hospital deve zelar pela segurança de pacientes e seus familiares. Para que tudo corra bem é importante a atenção de todos e, inclusive, do próprio paciente. Nesse sentido, o dr. Gatti garante que cada um pode contribuir para melhores resultados e menor risco de aquisição de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde (IRAS) com algumas práticas:

 

    • manter sempre a melhor higiene possível, principalmente em locais de feridas, cirurgia ou cateter;

    • cobrar a higiene das mãos antes e após o contato com qualquer ferida operatória ou cateter;

    • zelar pelos melhores cuidados com os curativos realizados em feridas operatórias;

    • observar qualquer vazamento de curativos ou cateteres e comportamento incomum da pele e do organismo.

 

Os cuidados específicos que o paciente pode ter para evitar cada IRAS estão detalhados abaixo.

 

a) Para redução de infecção de sítio cirúrgico, é indicado:

 

    • controlar as doenças crônicas, como diabetes, realizando um acompanhamento glicêmico adequado;

    • evitar o tabagismo antes de qualquer procedimento cirúrgico;

    • tomar banho com clorexidina degermante como estratégia de descolonização, para redução da concentração de bactérias em algumas partes do corpo;

    • aderir ao protocolo de descolonização nasal da bactéria S. aureus;

    • cuidar bem dos curativos realizados em ferida operatória;

    • manter e cobrar a melhor higiene das mãos antes e após o contato com a ferida operatória.

 

b) Para redução de infecção do trato urinário associada a cateter vesical, é indicado:

 

    • manter a bolsa coletora de urina acima do solo;

    • não obstruir o cateter vesical;

    • ficar atento para vazamentos do sistema e informar para troca;

    • ingerir, caso não tenha restrição hídrica, 30ml/kg/dia de líquidos;

    • fazer higiene íntima com água morna e sabonete com pH levemente ácido (semelhante ao da pele);

    • questionar ao médico sobre o momento da retirada do cateter vesical, sendo melhor quando for o mais precoce possível;

    • cobrar adequada higiene das mãos antes e após o contato com o cateter vesical.

 

c) Para redução de infecção da corrente sanguínea associada a cateter venoso central, é recomendado:

 

    • cobrar da equipe a adequada higiene das mãos antes e após o contato com o cateter venoso central;

    • cobrar da equipe a adequada desinfecção dos conectores do acesso venoso central antes e depois da administração de medicamentos;

    • questionar ao médico sobre o momento da retirada do cateter venoso central, sendo melhor quando for o mais precoce possível;

    • cuidar bem do curativo do cateter venoso central.

 

Qual é a diferença entre infecção hospitalar e sepse?

 

Muitas pessoas costumam confundir infecção hospitalar com sepse. Porém, os termos, no meio médico, apontam situações diferentes. A infecção hospitalar, hoje chamada de IRAS, é toda manifestação clínica de infecção que se apresenta a partir de 72 horas do ingresso (entrada) em ambiente hospitalar quando se desconhece o período de incubação do agente etiológico (responsável pela infecção). Já a sepse é o resultado da reação exagerada do corpo a uma infecção.

 

A sepse é uma manifestação grave do organismo durante a resposta a uma infecção. Na busca de proteger o corpo, o sistema imunológico libera substâncias químicas na corrente sanguínea para combater a infecção. Porém, a depender da quantidade e da forma liberada, pode ocorrer uma inflamação em todo o corpo, danificando órgãos e sistemas. A situação pode se agravar, levando, inclusive, a óbito.

 

Os dois casos apresentam situações de alto risco e que estão também relacionadas: uma infecção hospitalar pode levar o corpo a uma reação exagerada, gerando a sepse. Por isso, é imprescindível o controle das infecções.

 

 

Fonte: Hospital Israelita Albert Einstein - Vida Saudável. "Infecção hospitalar: conheça a importância da prevenção e do controle". Conteúdo Editado. Autorizado sob licença CC BY-ND 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post