Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Quais as recomendações para evitar a Trombose após uma cirurgia?
Quais as recomendações para evitar a Trombose após uma cirurgia?

A Trombose é a formação de coágulos ou trombos no interior dos vasos sanguíneos, que impede o fluxo de sangue.

A trombose é a formação de coágulos ou trombos dentro dos vasos sanguíneos, impedindo o fluxo de sangue. Qualquer cirurgia pode aumentar o risco de desenvolver trombose, pois é comum ficar muito tempo parado tanto durante quanto após o procedimento, o que prejudica a circulação.

 

Por isso, para evitar a trombose depois da cirurgia é recomendado começar a fazer pequenas caminhadas logo após a liberação do médico, usar meias elásticas​ por cerca de 10 dias ou até quando seja possível voltar a andar normalmente, mexer as pernas e os pés enquanto está deitado e tomar remédios anticoagulantes para impedir a formação de coágulos.

 

Apesar de poder surgir após qualquer cirurgia, o risco de trombose é maior no pós-operatório de uma cirurgia complexa ou que demora mais de 30 minutos, como cirurgia do tórax, coração ou abdômen, como a bariátrica, por exemplo. Na maioria dos casos, os trombos se formam nas primeiras 48 horas até cerca de 7 dias depois da cirurgia, causando vermelhidão na pele, calor e dor na perna.

 

O que fazer depois da cirurgia para evitar trombose

 

Para prevenir a trombose depois de uma cirurgia, o médico poderá indicar:

 

1. Caminhar assim que possível

 

O paciente operado deve caminhar logo que tenha pouca dor e não corra risco da cicatriz romper, pois o movimento estimula a circulação do sangue e diminui o risco de trombos. Normalmente, o paciente pode andar ao final de 2 dias, porém depende da cirurgia e da orientação do médico.

 

2. Calçar meia elástica

 

O médico pode recomendar o uso de meias elásticas de compressão ainda antes da cirurgia, que devem ser usadas por um período de cerca de 10 a 20 dias, até que a movimentação do corpo ao longo do dia volte ao normal e já seja possível realizar atividades físicas, retiradas apenas para higiene do corpo.

 

A meia mais utilizada é a de média compressão, que exerce uma pressão de cerca de 18-21 mmHg, que é capaz de comprimir a pele e estimular o retorno venoso, mas o médico também poderá indicar a meia elástica de alta compressão, com pressão entre 20-30 mmHg, em certos casos de maior risco, como pessoas com varizes grossas ou avançadas, por exemplo.

 

As meias elásticas também são aconselháveis para qualquer pessoa que tenha problemas de circulação venosa, pessoas acamadas ou que passam por tratamentos restritas ao leito ou que têm doenças neurológicas ou ortopédicas que dificultam a movimentação.

 

3. Elevar as pernas

 

Esta técnica facilita o retorno do sangue ao coração, o que previne o acúmulo de sangue nas pernas e pés, além de diminuir o inchaço das pernas.

 

Quando possível, é orientado que o paciente movimente os pés e as pernas, dobrando e esticando cerca de 3 vezes ao dia. Estes exercícios podem ser orientados pelo fisioterapeuta ainda no hospital.

 

4. Utilizar remédios anticoagulantes

 

Remédios que ajudam a prevenir a formação de coágulos ou trombos, podem ser indicados pelo médico, principalmente quando se trata de uma cirurgia demorada ou que exigirá um repouso longo, como abdominal, torácica ou ortopédica.

 

O uso de anticoagulante pode ser indicado até quando seja possível andar e movimentar o corpo normalmente. Estes remédios também costumam ser indicados durante uma internação hospitalar ou durante um tratamento em que a pessoa necessite ficar em repouso ou deitada por muito tempo.

 

5. Fazer massagem nas pernas

 

A realização de massagem nas perna de 3 em 3 horas, com óleo de amêndoas ou qualquer outro gel de massagem, também é outra técnica que estimula o retorno venoso e dificulta o acúmulo de sangue e formação de coágulos.

 

Além disso, existem outros procedimentos que podem ser indicados pelo médico, como a estimulação elétrica de músculos da panturrilha e a compressão pneumática externa intermitente, que é feita com aparelhos que estimulam os movimentos do sangue principalmente em pessoas que não conseguem fazer movimentos das pernas, como pacientes em coma.

 

Quem tem maior risco de ter uma trombose depois da cirurgia

 

O risco de ocorrer uma trombose depois de uma cirurgia é maior quando o paciente tem mais de 60 anos, principalmente idosos acamados, após acidentes ou AVC, por exemplo.

 

No entanto, outros fatores que podem aumentar o risco de ter uma trombose venosa profunda depois de uma cirurgia são:

 

    • Cirurgia feita com anestesia geral ou peridural;

    • Obesidade;

    • Tabagismo;

    • Uso de anticoncepcional ou outras terapias de reposição hormonal;

    • Ter câncer ou fazendo quimioterapia;

    • Ser portador do sangue do tipo A;

    • Ter doenças no coração, como insuficiência cardíaca, varizes ou problemas no sangue como trombofilia;

    • Cirurgia feita durante a gestação ou logo após o parto;

    • Caso haja uma infecção generalizada durante a cirurgia.

 

Quando ocorre a formação de um trombo devido a uma cirurgia, há grande chances de desenvolver embolia pulmonar, pois os coágulos diminuem ou obstruem a passagem de sangue alojando-se nos pulmões, situação que é grave e causa risco de morte.

 

Além disso, também pode ocorrer inchaço, varizes e pele acastanhada nas pernas, que em casos mais graves, pode levar a gangrena, que é a morte das células devido à falta de sangue.

 

 

Fonte: Tua Saúde, 2019. "Como evitar trombose após a cirurgia". Por Arthur Frazão. Conteúdo Editado. Autorizado sob licença CC BY-ND 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post