Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Infarto em mulheres. Quais os sintomas?

Infarto em mulheres. Quais os sintomas?

Entenda melhor o que pode indicar um ataque cardíaco nas mulheres.

Quando pensamos em infarto é natural que nos venha a cabeça o seguinte sintoma: dor forte no peito que irradia para o braço esquerdo. Este é mesmo o sintoma mais conhecido de um ataque cardíaco, mas nem sempre ele aparece quando o ataque ocorre em mulheres. É comum que elas apresentem sintomas diferentes e não tradicionais em caso de ataques cardíacos. Pode ser uma dor na região do estômago ou uma sensação de muito cansaço sem causa aparente, por exemplo.

 

Para entender melhor o que pode apontar para um ataque cardíaco, é importante entender os sintomas típicos e atípicos do infarto em mulheres. Entre os sintomas típicos está dor ou desconforto na região peitoral em forma de aperto, podendo irradiar para o braço esquerdo, as costas e o rosto. As dores ocorrem acompanhadas de suor frio, palidez, falta de ar e sensação de desmaio. Mas há também sintomas atípicos, como dor no abdome, semelhante a dor de uma gastrite ou esofagite de refluxo; enjoo; e mal-estar geral, além de cansaço excessivo, sem causa aparente.

 

Ataque cardíaco

 

O infarto do miocárdio, ou ataque cardíaco, acontece quando um coágulo bloqueia, de forma súbita e intensa, o fluxo sanguíneo para o coração. Sem sangue, a artéria perde oxigênio e morre. Em 2017, foram notificados 91,8 mil óbitos por infarto no Brasil.

 

A principal causa do infarto é a aterosclerose, que é o acúmulo de gorduras, colesterol e outras substâncias nas paredes das artérias e dentro delas. Na maioria dos casos, o infarto ocorre quando há o rompimento de uma dessas placas, levando à formação do coágulo e interrupção do fluxo sanguíneo.

 

Mulheres que fazem parte do grupo de risco devem ter mais atenção aos sintomas, inclusive aos atípicos. Se começar a sentir cansaço e desconforto ou indícios que pode estar acontecendo alguma coisa errada é importante procurar um médico imediatamente.

 

Grupo de risco

 

No público feminino, o risco de sofrer um infarto é maior entre determinados grupos.

 

    • Sedentária;

    • Pessoa com diabetes;

    • Hipertensa;

    • Obesa;

    • Fumante;

    • Com colesterol alto;

    • Com histórico familiar de infarto;

    • Com mais de 55 anos de idade.

 

Mulheres que fazem parte dos grupos de riscos devem ter cuidado redobrado com a saúde do coração. É importante visitar sempre um médico para fazer acompanhamento da situação da saúde, também com objetivo de evitar problemas mais graves, como o caso de um infarto.

 

Prevenção

 

A melhor forma de prevenir um ataque cardíaco é combater os fatores de risco. É importante que exista a atividade física regular e controlar outros fatores, como alimentação com nível de açúcar e gorduras controlados, mantendo uma dieta equilibrada.

 

 

Fonte: Secretaria de Saúde do Governo do Estado do Rio de Janeiro. "E se eu for mulher e tiver um infarto? Quais os sintomas?". Autorizado sob licença CC BY 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post