Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Você conhece o exame de Oximetria?

Você conhece o exame de Oximetria?

Entenda o que é, quais são os valores normais e os cuidados necessários.

Oximetria é um exame capaz de medir a saturação de oxigênio do sangue, ou seja a porcentagem de oxigênio que está sendo transportado na circulação sanguínea. Esta medida costuma ser necessária quando há suspeita de doenças que prejudicam ou interferem com o funcionamento dos pulmões, como asma, enfisema, pneumonia, câncer de pulmão, congestão pulmonar ou doenças neurológicas, por exemplo.

 

Geralmente, o oximetria acima de 90% indica uma boa oxigenação do sangue, entretanto, é necessário que o médico avalie cada caso. Uma taxa de oxigenação do sangue baixa pode indicar a necessidade de tratamentos como cateter ou máscaras de oxigênio, e pode indicar um risco de vida caso não seja feito o tratamento adequado.

 

Existem duas formas de fazer este exame:

 

• Oxímetro de pulso (ou dedo)

 

É a forma mais utilizada para medir a quantidade de oxigênio no sangue, onde são utilizados pequenos aparelhos, chamados de oxímetros de pulso, que conseguem fazer esta medida quando colocados sobre um dedo ou no lobo da orelha.

 

A principal vantagem desta medida é o fato de não ser invasiva, pois não é necessário fazer picadas ou coletar sangue. Além da oximetria, este aparelho também pode ser capaz de medir outros dados vitais, como quantidade de batimentos cardíacos e frequência respiratória, por exemplo.

 

Como funciona: o oxímetro de pulso tem um sensor de luz que capta a quantidade de oxigênio que passa no sangue por baixo do local onde está a ser feito o exame e, em poucos segundos, indica o valor. Estes sensores fazem medidas imediatas e regulares, e são desenvolvidos para uso nos dedos da mão, do pé ou orelha.

 

A oximetria de pulso é muito utilizada pelos médicos e outros profissionais de saúde durante a avaliação clínica, principalmente em casos de doenças que causam dificuldade na respiração, como as doenças pulmonares, cardíacas e neurológicas, ou durante uma anestesia.

 

O oxímetro pode ser comprado em lojas de materiais médicos ou hospitalares, e está disponível em diferentes marcas e preços. É recomendado se obter marcas confiáveis, para evitar erros de medida.

 

• Gasometria arterial

 

Ao contrário da oximetria de pulso, a gasometria arterial é uma forma invasiva de medir a taxa de oxigênio no sangue, pois é feita através da coleta de sangue para uma seringa, e para isso é necessária uma picada de agulha para acessar o vaso sanguíneo que carrega o sangue arterial. Por esse motivo, este tipo de exame é menos frequente que a oximetria de pulso.

 

A vantagem da gasometria arterial é uma medida mais exata dos níveis de saturação de oxigênio no sangue, além de poder fornecer outras medidas importantes, como a quantidade de gás carbônico, pH ou quantidade de ácidos e bicarbonato no sangue, por exemplo.

 

Como funciona: é necessário realizar uma coleta de sangue arterial e, em seguida, esta amostra é levada para ser medida em um aparelho específico no laboratório. Os vasos sanguíneos mais utilizados para este tipo de medida são a artéria radial, no pulso, ou femoral, na virilha, mas outros também podem ser utilizados.

 

Este tipo de medida costuma ser utilizada apenas nos casos em que o paciente precisa ser monitorizado continuamente ou de forma mais exata, o que é mais comum em situações como realização de grandes cirurgias, doenças cardíacas graves, arritmias, infecção generalizada, alterações súbitas da pressão arterial ou em casos de insuficiência respiratória, por exemplo.

 

Valores normais da oximetria

 

Uma pessoa saudável, com oxigenação adequada do corpo, costuma ter uma saturação de oxigênio acima de 95%, no entanto, não é incomum que por condições leves, como gripes ou resfriados, a saturação não fique entre os 90 e os 95%, sem ser motivo de preocupação.

 

Já quando a saturação atinge valores menores que 90% pode indicar que a oxigenação de sangue está deficiente, o que pode surgir em doenças mais graves como asma, pneumonia, enfisema, insuficiência cardíaca ou doenças neurológicas, por exemplo.

 

Na gasometria arterial, além da medida da saturação de oxigênio, também é avaliada a pressão parcial de oxigênio (Po2), que deve estar entre 80 e 100 mmHg.

 

Em qualquer caso, é sempre necessária a avaliação do médico ou de um profissional de saúde, pois outros dados clínicos necessitam ser avaliados para se chegar à conclusão sobre a causa e como deve ser feito o tratamento.

 

Cuidados para um resultado mais preciso

 

É muito importante que os aparelhos que fazem este tipo de medida sejam calibrados regularmente, para evitar resultados alterados. Além disso, durante o uso do oxímetro de pulso, alguns cuidados para se evitar a alteração do exame incluem:

 

    • Evitar uso de esmalte ou unhas postiças, pois alteram a passagem do sensor de luz;

    • Manter a mão relaxada e abaixo do nível do coração;

    • Proteger o aparelho em caso de ambiente muito iluminado ou ensolarado;

    • Observar se o aparelho está bem posicionado;

    • Antes de fazer o exame, o medico deverá ainda investigar doenças como anemia ou deficiências da circulação sanguínea, que podem interferir na medida da oxigenação do sangue.

 

 

Fonte: Tua Saúde. "Oximetria: o que é, valores normais e cuidados". Autorizado sob licença CC BY-ND 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post