Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva

Varizes e obesidade podem ser sinais de Insuficiência Venosa Crônica.

Varizes e obesidade podem ser sinais de Insuficiência Venosa Crônica.

Doenças e sintomas.

O que é Insuficiência Venosa Crônica?

 

A Insuficiência Venosa Crônica é uma anormalidade caracterizada por um mal funcionamento do sistema venoso, causada por problemas nas paredes das veias e / ou uma incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo sanguíneo venoso, dificultando o retorno do sangue ao coração.

 

Pode afetar tanto o sistema venoso superficial como o sistema venoso profundo, ou mesmo a ambos a um só tempo. A Insuficiência Venosa Crônica faz com que o sangue se acumule nas veias, e isso é chamado de Estase Venosa.

 

 

• Quais são as causas da Insuficiência Venosa Crônica?

 

A Insuficiência Venosa Crônica ocorre mais comumente como resultado de um coágulo de sangue nas veias profundas das pernas, uma doença conhecida como Trombose Venosa Profunda. A Insuficiência Venosa Crônica também pode resultar de tumores pélvicos que comprimam as veias e malformações vasculares. Em algumas ocasiões, a causa permanece desconhecida.

 

A Insuficiência Venosa Crônica que se desenvolve como resultado de Trombose Venosa Profunda também é conhecida como Síndrome Pós-trombótica.

 

 

• Alguns fatores que favorecem essa condição são:

 

- Estar acima do peso;

- Estar grávida;

- Ter um histórico familiar do problema;

- Ter tido lesão das veias;

- Cirurgia ou coágulos sanguíneos anteriores na perna.

 

Outras causas favorecedoras de Insuficiência Venosa Crônica incluem falta de exercício, fumar, Trombose Venosa Profunda e Flebite.

 

 

• Qual é o substrato fisiopatológico da Insuficiência Venosa Crônica?

 

As veias fazem o sangue retornar ao coração a partir de todos os órgãos do corpo. Para isso, o sangue das veias das pernas precisa fluir para cima, num sentido antigravitacional. Os músculos da panturrilha e dos pés precisam se contrair a cada passo para comprimir as veias e impulsionar o sangue para cima e, para manter esse fluxo para cima, as veias possuem válvulas unidirecionais que impedem o retorno dele.

 

A Insuficiência Venosa Crônica ocorre quando essas válvulas são danificadas e permitem que o sangue volte atrás. A lesão da válvula pode ocorrer como resultado do envelhecimento, de ficar sentado, em pé ou acamado por um tempo prolongado (como após uma cirurgia, por exemplo) ou uma combinação de todas essas coisas.

 

Quando as válvulas estão enfraquecidas e dificultam o fluxo do sangue, a pressão sanguínea nas veias se eleva. A falha das válvulas nas veias das pernas em reter o sangue contra a gravidade leva ao extravasamento lento dele para fora das veias, resultando em pernas inchadas.

 

 

• Quais são as características clínicas da Insuficiência Venosa Crônica?

 

Os sintomas de insuficiência venosa crônica podem incluir:

 

- Inchaço nas pernas ou tornozelos;

- Sensação de aperto nas panturrilhas ou pernas com coceira e doloridas;

- Dor ao caminhar que para quando a pessoa descansa;

- Pele amarronzada, muitas vezes perto dos tornozelos;

- Varizes;

- Úlceras nas pernas que às vezes são difíceis de tratar;

- Uma sensação desconfortável nas pernas e um desejo de mover constantemente as pernas;

- Cãibras dolorosas nas pernas ou espasmos musculares.

 

 

• Como o médico diagnostica a Insuficiência Venosa Crônica?

 

O médico procurará obter seu histórico médico, fará um exame físico e provavelmente pedirá um exame de imagem chamado Ultrassom Duplex, que analisa o fluxo sanguíneo e a estrutura das veias das pernas, verificando a direção e a velocidade do fluxo sanguíneo. Porém, como os sintomas da Insuficiência Venosa Crônica podem parecer com os sintomas de outras condições de saúde, o médico terá de fazer um diagnóstico diferencial.

 

 

• Como o médico trata a Insuficiência Venosa Crônica?

 

O tratamento da Insuficiência Venosa Crônica pode incluir uma tentativa de melhorar o fluxo sanguíneo nas veias, mantendo as pernas elevadas. Isso pode reduzir o inchaço e ajudar a aumentar o fluxo sanguíneo. O uso de meias de compressão e a prática de exercícios regulares orientados também podem melhorar o fluxo sanguíneo. Medicamentos que aumentam o fluxo sanguíneo através dos vasos podem ser usados ??junto com a terapia de compressão.

 

Outra terapêutica possível é a Ablação a Laser ou Radiofrequência, que é um procedimento minimamente invasivo. Um cateter é colocado diretamente na veia afetada e por meio de calor fecha a veia comprometida. Uma vez que a veia é fechada, menos sangue se acumula na perna e o fluxo sanguíneo geral é melhorado.

 

A Escleroterapia pode ser usada em casos mais graves. Um produto químico é injetado nas veias afetadas com o objetivo de causar cicatrizes nas veias de modo que elas não possam mais transportar sangue.

 

Por fim, a cirurgia pode ser feita em casos ainda mais graves. É feita uma ligadura da veia afetada para que o sangue não flua mais através dela. Se a veia ou suas válvulas estiverem muito danificadas, a veia poderá ser removida. Em casos de obstrução ou retirada da veia, o sangue passa a fluir por outras veias colaterais.

 

 

• Como evolui a Insuficiência Venosa Crônica?

 

Com a progressão, a Insuficiência Venosa Crônica pode levar a outras morbidades. As úlceras venosas crônicas são comuns e muito difíceis de tratar. Mesmo com o tratamento, as recorrências são comuns se a hipertensão venosa persistir.

 

Quase 60% das pessoas acometidas desenvolvem Flebite, que muitas vezes progride para Trombose Venosa Profunda em mais de 50% dos pacientes. A Insuficiência Venosa Crônica também pode levar à hemorragia grave.

 

 

 

Fonte: ABCMED. "Insuficiência venosa crônica - como reconhecê-la?". Sob licença CC BY-ND 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez

Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post