Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Doença Arterial Coronariana - uma visão geral da doença.
Doença Arterial Coronariana - uma visão geral da doença.

Pode não apresentar sintomas, como também pode causar dores no peito e ataque cardíaco.

A doença arterial coronariana ou doença cardíaca coronária é uma doença na qual uma placa de substância cerosa se forma e adere às paredes das artérias coronárias, prejudicando o fluxo de sangue rico em oxigênio para o músculo cardíaco.

 

Quais são as causas da doença arterial coronariana?

 

As pesquisas sugerem que a doença arterial coronariana começa quando certos fatores danificam as camadas internas das artérias coronárias. Esses fatores incluem fumo, níveis elevados de certas gorduras e colesterol no sangue, pressão arterial elevada, altos níveis de açúcar no sangue e inflamação dos vasos sanguíneos. Uma placa de aterosclerose pode começar a se acumular no ponto onde as artérias estão danificadas e estreitar progressivamente a luz dessas artérias.

 

Embora a doença se manifeste a partir da segunda metade da vida, a placa nas paredes das artérias coronarianas pode começar na infância. Coágulos sanguíneos podem estreitar ainda mais as artérias coronárias e piorar a angina. Se um coágulo se tornar grande o suficiente, ele pode obstruir por completo a artéria coronária e causar um infarto do miocárdio.

 

Os principais fatores de risco são:

 

    • Níveis elevados de colesterol não saudável no sangue;

    • Níveis elevados de triglicerídeos no sangue;

    • Pressão arterial alta;

    • Fumo;

    • Resistência à insulina;

    • Diabetes mellitus;

    • Obesidade;

    • Síndrome metabólica;

    • Falta de atividade física;

    • Dieta não saudável;

    • Idade avançada;

    • História familiar de doença coronariana;

    • Altos níveis de proteína C-reativa no sangue;

    • Apneia do sono;

    • Estresse;

    • Uso não moderado de álcool.

 

Qual é o mecanismo fisiológico da doença arterial coronariana?

 

A formação de placas aderidas às paredes das artérias é chamada de aterosclerose. O acúmulo dessas placas ocorre ao longo de muitos anos e pode crescer progressivamente até vir a obstruir totalmente a artéria. Com o tempo, a placa pode, ainda, endurecer ou romper-se.

 

Quando endurecida, ela estreita a luz das artérias coronárias e reduz o fluxo de sangue rico em oxigênio para o coração. Se a placa se romper, um grande coágulo de sangue pode se formar e pode obstruir por completo o fluxo sanguíneo através de uma artéria coronária. Se o fluxo de sangue rico em oxigênio para o músculo cardíaco for muito reduzido ou bloqueado, pode ocorrer angina de peito ou um infarto cardíaco (“ataque” cardíaco).

 

Quais são as principais características clínicas da doença arterial coronariana?

 

Algumas pessoas com doença arterial coronariana não apresentam sinais ou sintomas. A doença então pode não ser reconhecida até que a pessoa tenha um infarto do miocárdio (“ataque cardíaco”), insuficiência cardíaca ou arritmia cardíaca (um batimento cardíaco irregular).

 

Um infarto do miocárdio ocorre quando o fluxo de sangue rico em oxigênio é interrompido para uma parte do músculo cardíaco. Isso pode acontecer se uma área de placa de uma artéria coronária se rompe e as plaquetas se aglomeram no local para formar coágulos sanguíneos que podem obstruir totalmente o fluxo de sangue através da artéria coronária em causa. Se o bloqueio não for tratado rapidamente, a parte do músculo cardíaco alimentada pela artéria começa a morrer e o tecido cardíaco, que antes era saudável, é substituído por tecido cicatricial. Este dano cardíaco pode não ser óbvio, ou pode causar problemas graves e duradouros imediatamente detectáveis.

 

O sintoma mais comum de infarto do miocárdio é dor ou desconforto no peito. A maioria dos ataques cardíacos envolve desconforto no centro ou no lado esquerdo do tórax, que geralmente dura alguns minutos, desaparece e retorna. Esse desconforto aparece sob a forma de uma pressão desagradável, sensação de aperto ou de plenitude gástrica. A dor do ataque cardíaco às vezes pode parecer indigestão ou azia. Os sintomas da angina de peito podem ser semelhantes aos sintomas de um ataque cardíaco embora, talvez, mais brandos. A dor da angina dura apenas alguns minutos, aumenta com exercício e desaparece com o descanso.

 

A insuficiência cardíaca é uma condição na qual o coração perde sua força e não consegue bombear sangue suficiente para atender as necessidades do corpo. Insuficiência cardíaca não significa que o coração parou ou está prestes a parar de funcionar, mas que funciona insuficientemente. Os sinais e sintomas mais comuns de insuficiência cardíaca são falta de ar ou dificuldade para respirar, fadiga e inchaço nos tornozelos, pés, pernas, estômago e veias do pescoço. Todos esses sintomas são o resultado do acúmulo de fluido no corpo. Quando os sintomas começam, o paciente pode se sentir cansado e sem fôlego após esforço físico rotineiro.

 

Uma arritmia é um problema com o ritmo do batimento cardíaco. Quando a pessoa tem uma arritmia, percebe que o coração está “pulando” batidas ou batendo muito rápido. Algumas pessoas descrevem arritmias como uma sensação de vibração no peito. Algumas arritmias podem fazer com que o coração pare de repente de bater.

 

Como o médico diagnostica as doenças arteriais coronarianas?

 

O médico diagnostica a doença arterial coronariana com base na história médica e familiar, nos fatores de risco para a doença, num exame físico e em resultados de testes e procedimentos. Se houver a suspeita de doença arterial coronariana, o médico provavelmente recomendará um ou mais dos seguintes testes: eletrocardiograma, teste de esforço, ecocardiografia, radiografia do tórax, exames de sangue, angiografia coronária e cateterismo cardíaco.

 

Como o médico trata a doença arterial coronariana?

 

Tratamentos para doença cardíaca coronária incluem mudanças para um estilo de vida mais saudável para o coração, uso de medicamentos, procedimentos médicos, cirurgia e reabilitação cardíaca. As metas de tratamento podem incluir ainda a redução do risco de formação de coágulos sanguíneos, prevenção de complicações da doença arterial coronariana, redução dos fatores de risco, alívio dos sintomas e dilatação ou “bypass” das artérias entupidas.

 

Como prevenir a doença arterial coronariana?

 

Mudanças no estilo de vida, medicamentos e procedimentos médicos podem ajudar a prevenir ou tratar doenças cardíacas coronárias. A prevenção da doença arterial coronariana pode ser feita tomando medidas para controlar os fatores de risco, como colesterol alto, pressão alta e obesidade. Apenas alguns fatores de risco, como idade, sexo e histórico familiar, não podem ser controlados.

 

 

Fonte: ABCMED, 2018. "Doença arterial coronariana.". https://bit.ly/2xKPzrR

Fonte fotográfica: Blausen.com staff (2014). "Medical gallery of Blausen Medical 2014". WikiJournal of Medicine 1 (2). DOI:10.15347/wjm/2014.010. ISSN 2002-4436. [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)], from Wikimedia Commons

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post