Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Coronavírus: como conviver com familiares infectados na mesma casa?

Coronavírus: como conviver com familiares infectados na mesma casa?

Medidas de prevenção para evitar a propagação do Covid-19 em casa.

No momento em que o coronavírus está avançando rapidamente por todas as regiões brasileiras, o Jornal da USP traz para o leitor um guia prático de saúde para conviver com familiares com suspeita ou infecção confirmada pela covid-19 e que estão em isolamento domiciliar. Quem faz as recomendações são a professora Anna Luiza Lins Gryschek e a especialista em laboratório Erica Gomes Pereira, da Escola de Enfermagem (EE) da USP. As duas também são pesquisadoras do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva na EE.

 

As preocupações para evitar o contágio e a propagação da doença são importantes e aliviam a procura pelos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).” No entanto, mesmo após o paciente ter tido avaliação médica e recomendação de isolamento domiciliar, é comum surgirem dúvidas sobre o que deve ser feito e os cuidados com alguém da família que apresentou os primeiros sinais da doença e convive no mesmo espaço físico de outras pessoas saudáveis.

 

Anna Luiza, que coordena as disciplinas Enfermagem e Biossegurança e Enfermagem em Doenças Transmissíveis, reitera que os prontos socorros e os hospitais de referência devem ser as últimas opções a serem consideradas para se levar uma pessoa que apresente sintomas leves da covid-19, porque são lugares de foco de contaminação e transmissão também de outras doenças. As Unidades Básicas de Saúde (UBS) devem ser procuradas quando o paciente já apresentar desconforto respiratório associado com tosse e febre. Fora desse quadro, o protocolo é ficar em casa pelo período recomendado pelas autoridades de saúde – 14 dias a contar da data de início dos sintomas – e tomar os devidos cuidados para não permitir que o vírus seja transmitido para as outras pessoas que residam no mesmo local.

 

 

Recomendações

 

Quarto individual e ventilado

 

Permanecer em casa em um cômodo isolado e que tenha boa ventilação: um quarto, por exemplo, ou se a casa for pequena, a sala. A ideia é que a pessoa não circule por todos os ambientes para não contaminar os demais da família. A cama não pode ser compartilhada (exceção: mães que estão amamentando devem continuar amamentando com o uso de máscara e medidas de higiene, como a lavagem constante de mãos).

 

Casa pequena

 

Se a casa for pequena e tiver um único cômodo, o paciente deve manter distancia dos demais membros da família por pelo menos 1,0 m. As pesquisadoras lembram que, em alguns casos, o paciente poderá se encaminhado pelos profissionais de saúde das UBSs para hospitais de campanha caso ocorra evolução do quadro clínico. Limpar (mais de uma vez por dia) as superfícies que são tocadas frequentemente com solução contendo alvejante (1 parte de alvejante para 99 partes de água).

 

Banheiro

 

Reservar banheiro para uso exclusivo da pessoa doente. No caso de haver apenas um banheiro na casa, toda vez que o paciente utilizá-lo é importante que ele esteja usando máscara cirúrgica e seja feita higienização com água, sabão e hipoclorito de sódio do vaso sanitário, da torneira, da maçaneta e de toda região que for tocada pelo paciente. Se possível, mantê-lo bem ventilado.

 

Único cuidador

 

Uma única pessoa na casa deve exercer a função de cuidador, de preferência quem está em boas condições de saúde e não tem riscos associados (não ser idoso nem portar doenças crônicas, por exemplo). O paciente não pode receber visitas e deverá sair de casa apenas em caso de emergência com uso de máscara cirúrgica, evitando multidões e quando possível o transporte público.

 

Higienização das mãos

 

Todas as pessoas da casa devem lavar as mãos com água e sabão por diversas vezes durante o dia, especialmente antes de comer, cozinhar e após ir ao banheiro. Em relação ao cuidador, o zelo com a higiene deve ser redobrado em caso de proximidade da pessoa doente, se estiver em contato com secreções (saliva, suor e catarro) e com áreas tocadas pelo paciente (cama, criado mudo, cadeira). Dar preferência ao uso do papel toalha para secar as mãos. Caso não seja possível, utilizar toalha de tecido e trocar sempre que estiver úmida.

 

Pratos/talheres e roupas

 

As refeições devem ser levadas ao paciente dentro do quarto. Pratos, talheres, copos, bandejas e demais utensílios domésticos não podem ser compartilhados e devem ser lavados separadamente. Roupas pessoais, toalhas, fronhas e lençóis devem ser colocados em saco plástico e também lavados separadamente com sabão e água entre 60 e 90ºC.

 

Regiões comuns

 

Limpar e desinfetar áreas comuns e objetos e superfícies tocadas com frequência.

 

Lenços descartáveis

 

É aconselhável o uso de lenços descartáveis para higienização nasal, em espirros e tosses. O cuidador e demais familiares devem evitar tocar olhos, nariz e boca com as mãos.

 

Máscaras cirúrgicas

 

O paciente deve utilizar máscara cirúrgica o tempo todo. Caso não tolere ficar por muito tempo com a máscara, realizar medidas de higiene respiratória com mais frequência; trocar a máscara cirúrgica sempre que esta estiver úmida ou danificada. O cuidador não pode tocar ou mexer na sua própria máscara quando estiver perto do paciente.

 

 

Fonte: Jornal da USP. "Covid-19: guia ensina como conviver com familiares infectados". Texto: Ivanir Ferreira. Autorizado sob licença CC BY-ND 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post