Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Você conhece os sinais vitais e quais são suas funções?
Você conhece os sinais vitais e quais são suas funções?

Os sinais vitais de uma pessoa são medidas corporais básicas para saber o seu estado de saúde.

Os sinais vitais são um grupo de sinais indicadores do desempenho das funções vitais, medidos para estabelecer seus padrões basais, orientar o diagnóstico inicial de uma enfermidade, observar tendências dos processos fisiológicos, fazer o acompanhamento da evolução do quadro clínico e monitorar a resposta do paciente ao tratamento. Chama-se funções vitais às funções orgânicas diretamente responsáveis pela manutenção da vida.

 

Os sinais vitais são quatro: (1) pressão arterial, (2) pulsação, (3) frequência respiratória e (4) temperatura corporal. Eles são quantificados mediante avaliações numéricas e comparados a parâmetros tidos como normais, que variam de acordo com a idade, peso, sexo e saúde geral do paciente e servem para indicar seu estado geral atual e fornecer pistas para possíveis doenças e para a evolução do tratamento.

 

1 - Pressão arterial

 

A pressão sanguínea é a força do sangue que atua sobre as paredes das artérias, fazendo pressão sobre elas. Essa pressão é maior durante a sístole (contração do coração) e menor durante a diástole (relaxamento do coração). Cada vez que o coração se contrai (bate), bombeia sangue para as artérias, resultando na pressão arterial mais alta. Quando o coração relaxa, a pressão arterial cai.

 

Assim, dois números são registrados ao medir a pressão arterial: o maior deles acontece durante a sístole cardíaca e é chamado de pressão sistólica; o menor deles se verifica no momento de diástase, sendo chamado de pressão diastólica.

 

hipertensão arterial (ou elevação da pressão arterial) aumenta diretamente o risco de ataque cardíacoinsuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral. Com a hipertensão arterial, as artérias podem ter uma resistência aumentada contra o fluxo de sangue, fazendo com que o coração bombeie com mais força para o sangue circular.

 

A pressão arterial sistólica normal deve ser de, no máximo, 120 mmHg (milímetros de mercúrio) e a pressão diastólica deve ficar igual ou inferior a 80 mmHg. No entanto, esses números devem ser usados apenas como guia. Uma única medida da pressão arterial elevada não é necessariamente uma indicação de um problema. O médico precisa ver várias medições da pressão arterial durante vários dias ou semanas antes de fazer um diagnóstico e iniciar um tratamento.

 

Em crianças de até 1 ano de idade, a pressão arterial normal pode atingir 100/80 mmHg; aos 11 anos ela pode ser de 110/75 mmHg e em adolescentes ela já é próxima aos valores da pressão arterial adulta.

 

2 - Pulsação

 

Quando o coração força o sangue através das artérias, a pessoa sente os batimentos pressionando firmemente as artérias que estão localizadas perto da superfície da pele em certos pontos do corpo. A pulsação pode ser tomada mais facilmente na lateral do pescoço, na parte interior do cotovelo ou no pulso. Para a maioria das pessoas, é mais fácil tomar a pulsação no pulso.

 

A pulsação é uma medida da frequência cardíaca (número de vezes que o coração bate por minuto), mas também indica o ritmo do coração e a força do pulso, que corresponde à força de ejeção de sangue pelo coração. Uma pulsação normal para adultos saudáveis varia de 60 a 100 batimentos por minuto.

 

A taxa de pulsação aumenta fisiologicamente com exercícios e com emoções ou, patologicamente, devido a lesões ou doenças. Adolescentes acima dos 12 anos e mulheres adultas tendem a ter batimentos cardíacos mais rápidos que os adolescentes meninos e homens adultos. Pessoas com alto condicionamento cardiovascular (como atletas e corredores, por exemplo) podem ter frequência cardíaca próxima a 40 batimentos por minuto, sem apresentarem problemas.

 

Em crianças até 1 ano de idade a frequência cardíaca varia entre 100 e 160 batimentos por minuto (bpm); até os 11 anos, varia de 70 a 120 bpm.

 

3 - Frequência respiratória

 

A frequência respiratória é o número de respirações que uma pessoa realiza por minuto. A taxa é medida quando uma pessoa está em repouso e simplesmente envolve a contagem do número de respirações por minuto, contando quantas vezes o peito se expande. As taxas de respiração normal para uma pessoa adulta em repouso variam de 12 a 16 respirações por minuto, mas podem aumentar com exercícios físicos, febre, doenças e outras condições médicas. Ao verificar a respiração, é importante observar também se a pessoa tem dificuldades de respirar e, se for o caso, de que tipo ela é.

 

Em crianças até 2 a 6 meses de idade, a frequência respiratória varia entre 30 e 60 incursões respiratórias por minuto; de 6 meses a 11 meses de idade varia de 24 a 50 incursões por minuto; de 1 até os 5 anos pode atingir até 40 incursões por minuto. De 6 a 8 anos pode chegar a 30 incursões por minuto; de 8 a 12 anos varia entre 18 a 20 incursões por minuto e em adolescentes e pré-adolescentes varia entre 12 e 18 incursões por minuto. Deve sempre ser avaliada com a criança calma, na ausência de choro ou agitação.

 

4 - Temperatura corporal

 

A temperatura corporal normal de uma pessoa varia dependendo do sexo, atividade recente, consumo de alimentos e líquidos, horário do dia e, nas mulheres, com o estágio do ciclo menstrual. A temperatura corporal normal, em todas as idades, pode variar de 36,1 a 37,2 graus Celsius, com média de 36,5º C. A temperatura corporal de uma pessoa pode ser tomada por várias vias: (a) oralmente, medida na boca; (b) por via retal, tomada no ânus; (c) axilar, tomada sob o braço; (d) no ouvido, obtida no tímpano e (e) na pele, tomada na testa.

 

A temperatura corporal pode ser anormal devido à febre (temperatura alta) ou hipotermia (temperatura baixa). É considerada uma febre quando a temperatura do corpo fica acima de 37,8 graus centígrados. A hipotermia é definida como uma queda na temperatura corporal abaixo de 35,1 graus centígrados.

 

A causa mais comum de elevação sustentada da temperatura é a presença de processos infecciosos, mas ela pode também surgir em função de outras causas, como exercícios físicos intensos, absorção de líquidos orgânicos, exposição a temperaturas ambientais extremamente altas, etc. A hipotermia, por seu turno, tem dois tipos principais de causas: exposição ao frio extremo ou qualquer condição que diminua a produção de calor ou aumente a perda de calor corporal.

 

 

Fonte: ABCMED, 2019. "Conhecendo os sinais vitais e suas funções". Autorizado sob licença CC BY-ND 3.0 BR.

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post