Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
O que são e como evitar as Doenças Cardiovasculares?
O que são e como evitar as Doenças Cardiovasculares?

As doenças cardiovasculares compõem uma classe de patologias que envolvem o coração e / ou os vasos sanguíneos.

As doenças cardiovasculares constituem uma classe de enfermidades que envolvem o coração e/ou os vasos sanguíneos. As doenças cardiovasculares são a causa número 1 de mortes em todo o mundo: mais pessoas morrem anualmente de doenças cardiovasculares do que de qualquer outra causa.

 

Quais são as causas das doenças cardiovasculares?

 

Os mecanismos subjacentes às doenças cardiovasculares variam dependendo da doença. As causas da doença arterial coronariana, do acidente vascular cerebral e da doença arterial periférica muitas vezes envolvem a aterosclerose (depósitos de gordura que se acumulam nas paredes das artérias), pressão alta, tabagismo, diabetes, falta de exercícios, obesidade, colesterol alto, dieta inadequada e consumo excessivo de álcool, entre outros.

 

Os infartos cardíacos e os acidentes vasculares cerebrais são causados principalmente por bloqueios dos vasos sanguíneos que impedem o fluxo de sangue para o coração ou cérebro. A razão mais comum para isso é o acúmulo de depósitos de gordura nas paredes internas dos vasos sanguíneos que irrigam estes órgãos. Mas também podem ser causados por sangramento de um vaso sanguíneo no cérebro ou por coágulos sanguíneos vindos de longe.

 

Outras causas de doenças cardiovasculares podem resultar de danos ao sistema circulatório e outras condições sistêmicas de abalos à saúde, como um vírus, uma infecção ou um problema estrutural com o qual a pessoa nasceu. A pressão alta tanto pode ser causa como resultado de doença cardiovascular.

 

Há muitos fatores de risco para doenças cardíacas de causas determinadas: idade, sexo, tabagismo, inatividade física, consumo excessivo de álcool, dieta pouco saudável, obesidade, predisposição genética e história familiar de doença cardiovascular, hipertensão (pressão arterial elevada), diabetes mellitus (aumento de açúcar no sangue), hiperlipidemia (aumento do colesterol no sangue), doença celíaca não diagnosticada, fatores psicossociais, pobreza, baixa escolaridade e poluição do ar.

 

Embora a contribuição individual de cada fator de risco varie entre diferentes comunidades ou grupos étnicos, a contribuição geral desses fatores de risco é muito consistente. Entre nós, os fatores de risco mais comuns para doenças cardiovasculares parecem ser a aterosclerose e a hipertensão arterial.

 

Alguns desses fatores são mutáveis por alterações do estilo de vida, mudança social ou tratamento medicamentoso; entretanto, outros não são modificáveis. Pessoas com um fator de risco para doenças cardiovasculares geralmente têm mais um ou dois outros fatores associados. É o caso, por exemplo, de pessoas com obesidade, que também têm pressão alta, colesterol alto e/ou diabetes tipo 2.

 

Quais são as principais características clínicas das doenças cardiovasculares?

 

Existem muitos tipos diferentes de doenças cardiovasculares e por isso os sintomas são muito variáveis, dependendo do tipo específico de doença que o paciente tem. No entanto, os sintomas mais típicos de um problema cardiovascular incluem dor ou pressão no peito (o que pode indicar angina de peito); dor ou desconforto nos braços, no ombro esquerdo, cotovelos, mandíbula ou nas costas; dispneia (falta de ar); náusea e fadiga; tonteira; fraqueza e suor frio.

 

É quase impossível enumerar todas as doenças cardiovasculares, mas as principais podem ser englobadas numa lista:

 

    • Angina de peito;
    • Arritmia;
    • Cardiopatia congênita;
    • Doença arterial coronariana;
    • Cardiomiopatia dilatada;
    • Infarto cardíaco (“ataque” do coração);
    • Insuficiência cardíaca congestiva;
    • Cardiomiopatia hipertrófica;
    • Insuficiência da válvula mitral;
    • Prolapso da válvula mitral;
    • Estenose dos vasos pulmonares;
    • Doença cardíaca reumática;
    • Doença arterial periférica;
    • Aneurisma;
    • Aterosclerose;
    • Doença arterial renal;
    • Doença de Raynaud;
    • Doença venosa periférica;
    • Acidente vascular cerebral;
    • Coágulos sanguíneos venosos;
    • Distúrbios de coagulação do sangue.

 

Como o médico diagnostica as doenças cardiovasculares?

 

O diagnóstico da doença cardiovascular implica numa dupla tarefa:

 

    1) Reconhecer a doença presente;
    2) Determinar sua possível causa.

 

Para ambas as tarefas, o médico deve contar com análises laboratoriais e estudos de imagem. A parte preliminar do diagnóstico deve ser uma análise dos antecedentes médicos do paciente e de familiares e dos fatores de risco e do exame físico.

 

Alguns dos testes comuns usados para diagnosticar doenças cardiovasculares incluem análises de sangue (lipídios, colesterol, glicose, proteínas, etc.), eletrocardiograma, teste de esforço, ecocardiografia, ecocardiografia combinada com o Doppler, angiografia coronária, cateterismo cardíaco, radiografia de tórax, tomografia computorizada e ressonância magnética.

 

Como o médico trata as doenças cardiovasculares?

 

O tratamento deve ser específico para cada doença, visando aliviar os sintomas, reduzir o risco de recorrência ou piora da condição e evitar complicações. Dependendo da condição, também pode ter como objetivo estabilizar os ritmos cardíacos, reduzir os bloqueios e dilatar as artérias para permitir um melhor fluxo de sangue.

 

O tratamento inicial da doença cardiovascular deve ser focado principalmente em intervenções na dieta e no estilo de vida. O manejo adequado dessas doenças e das suas sequelas, se houver, exige também um enfoque específico, sobretudo nos casos de infarto do miocárdio e de acidente vascular cerebral.

 

Como prevenir as doenças cardiovasculares?

 

Estima-se que 90% das doenças cardiovasculares sejam evitáveis. A aterosclerose, causa da maioria delas, pode ser prevenida melhorando-se os fatores de risco por meio de alimentação saudável, exercício físico regular, abstenção do tabaco e limitação da ingestão de álcool. Maus hábitos durante a infância não levarão a doenças cardiovasculares enquanto o indivíduo ainda é jovem, mas podem levar ao acúmulo de problemas que continuam até a idade adulta, resultando em maior probabilidade de ter uma doença cardiovascular mais tarde na vida.

 

Tratar fatores de risco, como pressão alta, lipídios altos no sangue, diabetes mellitus e evitar um estilo de vida sedentário, também é benéfico. O tratamento de pessoas com infecções estreptocócicas (um tipo de infecção bacteriana) com antibióticos pode diminuir o risco de doença cardíaca reumática. Restringir o uso de sal, de gorduras saturadas e de açúcar ajuda a proteger contra as doenças cardiovasculares. O uso de aspirina em pessoas saudáveis como meio preventivo de doenças cardíacas é controverso e deve sempre ser orientado por um médico, para evitar complicações.

 

Quais são as complicações possíveis das doenças cardiovasculares?

 

Algumas doenças cardiovasculares podem deixar sequelas definitivas, mesmo depois de curadas, como por exemplo os acidentes vasculares cerebrais, também conhecidos como "derrames". Outras exigirão a utilização permanente de aparelhos de regulação mecânica como, por exemplo, os marcapassos e os stents.

 

Algumas outras doenças cardiovasculares podem levar de imediato à morte (infarto do miocárdio, por exemplo) ou limitar muito o paciente e abreviar significativamente o seu tempo de vida (insuficiência cardíaca congestiva, por exemplo).

 

 

Fonte: AbcMed, 2018. "Doenças cardiovasculares - O que são? Quais são as principais? Como evitá-las?". https://bit.ly/2MsBtEQ

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post