Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
O que é Taquicardia?
O que é Taquicardia?

Na taquicardia, o coração bate mais rápido do que o normal enquanto a pessoa está em repouso.

A taquicardia é um tipo de distúrbio do ritmo cardíaco em que o coração bate mais rápido que o normal, quando em repouso. Como uma resposta fisiológica normal, a frequência cardíaca se eleva durante o exercício, elevação da temperatura corporal, estresse, trauma ou doença. Mas, na taquicardia, o coração bate mais rápido do que o normal enquanto a pessoa está em repouso.

 


Quais são as causas da taquicardia?

 

A taquicardia é causada por algo que perturba os impulsos elétricos normais que controlam os batimentos cardíacos. Muitas coisas podem causar problemas no sistema elétrico do coração. Entre elas, dano aos tecidos do coração, doenças congênitas, anemias, estresse, pressão arterial elevada ou baixa, fumo, febre, álcool, cafeína, efeitos secundários de medicamentos, abuso de drogas, desequilíbrio de eletrólitos e hipertireoidismo (hiperatividade da tireoide). Em alguns casos, a causa exata da taquicardia não pode ser determinada.

 


Breve resumo do mecanismo fisiológico da taquicardia

 

Para entender os problemas de ritmo cardíaco, como a taquicardia, faz-se necessário entender como funciona o sistema elétrico intrínseco do coração. O coração é composto por quatro câmaras: duas câmaras superiores (os átrios direito e esquerdo) e duas câmaras inferiores (os ventrículos direito e esquerdo). O ritmo do coração é normalmente controlado por um marcapasso natural chamado nódulo sinusal, localizado no átrio direito, onde se inicia cada batimento cardíaco. Daí, os impulsos elétricos viajam através dos átrios, fazendo com que os músculos atriais se contraiam e bombeiem sangue para os ventrículos. Os impulsos elétricos chegam então, com ligeiro atraso, a um conjunto de células chamado nódulo atrioventricular. Esse nódulo diminui o sinal elétrico antes de enviá-lo para os ventrículos, permitindo que eles se encham de sangue. Quando os impulsos elétricos atingem os músculos dos ventrículos, eles se contraem, fazendo com que bombeiem sangue para os pulmões ou para o resto do corpo. A frequência cardíaca é controlada por sinais elétricos enviados através dos tecidos cardíacos. Quando algo perturba esse complexo sistema, pode causar batimentos cardíacos muito rápidos (taquicardia), muito lentos (bradicardia) ou com um ritmo irregular. Normalmente, o coração bate cerca de 60 a 100 vezes por minuto, quando em repouso. A taquicardia ocorre quando uma anormalidade no coração produz sinais elétricos rápidos que aceleram a frequência cardíaca para além desse limite.

 


Quais são as principais características clínicas da taquicardia?

 

Algumas pessoas com taquicardia não apresentam sintomas e a condição só é descoberta durante um exame físico ou com um exame de monitoração cardíaco chamado eletrocardiograma. Quando o coração está batendo muito rápido, pode não bombear sangue efetivamente para o resto do corpo. Isso pode privar os órgãos e tecidos do oxigênio necessário e pode causar sinais e sintomas de falta de ar, pulso rápido, palpitações, dor no peito e desmaio.

 


Como o médico diagnostica a taquicardia?

 

A constatação da taquicardia pode ser feita por uma simples contagem dos batimentos arteriais no pulso ou na jugular. Mais complicado é determinar a causa da taquicardia. Para tal, vários exames podem ser necessários, entre eles, eletrocardiograma, monitor Holter de eventos cardíacos, teste eletrofisiológico, exames de imagem do coração, ecocardiograma, angiografia coronariana e teste de esforço.

 


Como o médico trata a taquicardia?

 

Os tratamentos para taquicardia são projetados para diminuir a frequência cardíaca rapidamente, tratar a causa dessa condição, prevenir episódios futuros e minimizar as complicações possíveis. As maneiras de diminuir prontamente o ritmo cardíaco incluem manobras vagais, medicamento antiarrítmico injetável, cardioversão (choque elétrico, aplicado ao coração por meio de dispositivos especiais), ablação cardíaca para prevenir ou gerenciar episódios de taquicardia e outros tipos de drogas. Alguns tipos de taquicardias podem ser tratados com um marcapasso ou exigir um desfibrilador implantável. Por fim, a cirurgia pode ser necessária em alguns casos.

 


Quais são as complicações possíveis da taquicardia?

 

Se não for tratada, a taquicardia pode interromper a função cardíaca normal e levar a sérias complicações. Essas complicações variam em gravidade, dependendo de fatores como o tipo e intensidade da taquicardia e da existência de outras condições cardíacas e incluem coágulos de sangue que podem se deslocar para o cérebro ou para o coração, insuficiência cardíaca (incapacidade do coração para bombear sangue suficiente), desmaios e morte súbita, associada à fibrilação ventricular.

 


Fonte: ABCMED, 2017. "O que é taquicardia?". https://goo.gl/R48gEk

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post