Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Entenda o que é, os sintomas e o tratamento para a Oclusão de Forame Oval Patente.
Entenda o que é, os sintomas e o tratamento para a Oclusão de Forame Oval Patente.

A Oclusão de Forame Oval, pode, em alguns casos, contribuir para o aparecimento de AVC.

O que é?

 

Forame Oval é um orifício que comunica o lado direito com o lado esquerdo do coração. Durante a gestação, é essa comunicação que possibilita que o feto receba o sangue oxigenado da mãe para se desenvolver, uma vez que seus pulmões ainda não funcionam.

 

Logo após o nascimento, há o fechamento natural do Forame Oval. No entanto, em uma minoria de pessoas esse fechamento natural não ocorre e o Forame Oval continua aberto, ou seja, patente, ao longo da vida.

 

Sintomas

 

Na maior parte das pessoas, o Forame Oval Patente não gera sintomas ou outras limitações. Dessa maneira, não há necessidade de tratamento específico.

 

Complicações

 

Em alguns casos, entretanto, a existência do Forame Oval Patente pode causar a passagem de coágulos de sangue do lado direito para o lado esquerdo, o que pode acarretar problemas como, por exemplo, o derrame cerebral (acidente vascular cerebral).

 

O derrame cerebral pode ser causado por vários motivos. Após um derrame, os médicos sempre procuram as suas possíveis causas, para fazer a prevenção e evitar que novos derrames ocorram no futuro. Nas pessoas com Forame Oval Patente e que tiveram um derrame, principalmente naquelas em que não se acham outras causas, a Oclusão do Forame Oval pode ser indicada, como maneira de reduzir a chance de outros derrames.

 

Tratamento minimamente invasivo

 

Até há pouco tempo, havia muitas dúvidas sobre o benefício da Oclusão do Forame Oval Patente como forma de prevenir derrames. Mas, estudos recentes, com centenas de pacientes, mostram que as pessoas que foram submetidas à Oclusão do Forame tiveram menos complicações no longo prazo do que aquelas em que o Forame Oval não foi ocluído.

 

A Oclusão do Forame Oval é feita através de um procedimento cardíaco minimamente invasivo. Por uma veia da região inguinal (“virilha”), um cateter é introduzido até o coração, chegando na região do Forame Oval. Neste local, através do próprio cateter, o médico faz o fechamento do Forame Oval (“oclusão”) com a colocação de uma pequena prótese.

 

O procedimento é feito com anestesia local e sedação, ou anestesia geral, e normalmente dura em torno de duas horas. Não há cortes (incisões) ou pontos (suturas), uma vez que o procedimento é feito através de uma punção na veia. A recuperação é indolor na maior parte dos casos e, habitualmente, é feita em um quarto hospitalar normal ou em uma unidade Semi-Intensiva. Comumente, o tempo de permanência no hospital é de um ou dois dias após o procedimento.

 

 

Fonte: Hospital Israelita Albert Einstein. "Oclusão de forame oval patente". https://bit.ly/2uxGgdl

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post