Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular

Publicações

Notícias e artigos sobre saúde, bem-estar, tratamentos cardiovasculares e medicina preventiva
Cardiopatia Reumática - causas, diagnóstico e tratamentos.
Cardiopatia Reumática - causas, diagnóstico e tratamentos.

A cardiopatia reumática refere-se a danos ao coração e é uma das principais complicações da febre reumática.

A cardiopatia reumática ou doença cardíaca reumática descreve um grupo de doenças cardíacas agudas ou crônicas que podem ocorrer como decorrência da febre reumática. A febre reumática é uma doença inflamatória que começa com infecções na garganta. Uma das complicações comuns da febre reumática é o dano à válvula mitral do coração.

 

Quais são as causas da cardiopatia reumática?

 

Qualquer pessoa pode ter febre reumática aguda, mas ela ocorre com mais frequência em crianças de 5 a 15 anos de idade. A cardiopatia reumática vem em sequência a uma febre reumática aguda que é uma infecção na garganta causada pela bactéria Streptococcus pyogenes. Cerca de 60% das pessoas com febre reumática desenvolvem algum grau de doença cardíaca subsequente.

 

Qual é o mecanismo fisiológico da cardiopatia reumática?

 

Tanto o pericárdio (revestimento externo do coração) como o endocárdio (revestimento interno do coração) e as válvulas cardíacas podem ser danificados pela inflamação causada pela febre reumática aguda. No entanto, a forma mais comum de doença cardíaca reumática afeta as válvulas cardíacas, particularmente a valva mitral. Pode levar vários anos após um episódio de febre reumática para que o dano na válvula se desenvolva ou apareçam os sintomas.

 

Quais são as principais características clínicas da cardiopatia reumática?

 

Muitas vezes, mesmo que o coração seja afetado, a cardiopatia reumática não chega a causar sintomas, embora ocasionalmente a pessoa afetada (geralmente uma criança) possa estar com falta de ar. Se há sintomas, eles variam e os danos ao coração muitas vezes não são facilmente perceptíveis. Quando os sintomas aparecem ostensivamente, eles dependem da extensão e da localização dos danos ao coração. Normalmente, os sintomas da febre reumática aparecem cerca de duas semanas após o início de uma infecção não tratada na garganta. Além da dor de garganta causada pela infecção por estreptococos, as crianças têm febre e se sentem doentes. Comumente, a criança terá uma articulação muito dolorida, inchada e avermelhada (joelho, tornozelo, cotovelo, ombro, etc) que desaparece após um dia ou dois, sendo substituída pelo mesmo problema em outra articulação. Erupções cutâneas de vida curta podem ocorrer, mas não são comuns.

 

Como o médico diagnostica a cardiopatia reumática?

 

O primeiro passo no diagnóstico da doença cardíaca reumática é esclarecer se a criança teve recentemente uma infecção por estreptococos. Quando o paciente chega ao médico, é provável que os sinais da infecção possam já ter desaparecido. Nesse caso, ele e os seus familiares precisarão se lembrar se recentemente teve dor de garganta ou outros sintomas de uma infecção por estreptococos. O médico também pode pedir um exame de sangue e uma cultura da garganta, ou ambos, para verificar a presença de anticorpos anti-estreptococos. Na história clínica e no exame físico, o médico pesquisará sinais e sintomas de febre reumática. Ele também ouvirá o coração do paciente para verificar se há ritmos ou murmúrios anormais. Além disso, existem alguns testes que podem ser usados para avaliar se houve danos cardíacos, incluindo radiografia de tórax, para observar o tamanho do coração e para ver se há excesso de líquido no órgão ou nos pulmões, e ecocardiograma, para criar uma imagem em movimento do coração e medir seu tamanho e forma.

 

Como o médico trata a cardiopatia reumática?

 

Os cuidados iniciais visam tratar a febre reumática como meio de evitar o desenvolvimento de uma doença cardíaca reumática. Nem sempre a febre reumática deixa cicatrizes nas valvas cardíacas (valva mitral ou valva aórtica), resultando em cardiopatia reumática. Pode acontecer que anos mais tarde a valva mitral se torne estreitada, uma condição que é conhecida como estenose mitral.

O tratamento da febre reumática aguda inclui antibióticos para tratar a infecção e medicamentos adicionais para aliviar a inflamação do coração e o comprometimento de outros órgãos. Uma vez que a doença aguda tenha desaparecido, os pacientes devem tomar penicilina ou um antibiótico equivalente por muitos anos para prevenir recorrências. Este tratamento é muito importante porque o risco de dano à válvula cardíaca aumenta com a repetição da febre reumática. Se o dano causado pela doença for leve, ele não necessitará de tratamento; se for grave, a cirurgia pode ser necessária para o reparo da válvula danificada. Se a válvula está muito danificada para ser reparada, deve ser substituída por uma válvula artificial.

 

Como prevenir a cardiopatia reumática?

 

A melhor maneira de prevenir a febre reumática é tratar a faringite estreptocócica com antibióticos adequados e pelo tempo correto de uso prescrito por um médico.

 

 

Fonte: AbcMed, 2018. "​​Cardiopatia reumática - como ela é?". https://bit.ly/2MtpB0p

"O conteúdo disponível neste website tem caráter estritamente educativo e informativo. Seus artigos, matérias e notícias visam fornecer informações que possam auxiliar no esclarecimento de dúvidas em relação às medidas preventivas para saúde, exames diagnósticos, tratamentos e a problemas diversos relacionados com a saúde. Não é finalidade deste website, representando o médico Dr. Rodrigo Pereira Paez, a análise, comentário ou emissão de qualquer tipo de diagnóstico. Os conteúdos aqui apresentados não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, psicólogos e nutricionistas ou outros especialistas. Consulte sempre o seu médico. As imagens fotográficas das publicações, artigos, matérias ou notícias são meramente ilustrativas."

Rodrigo Paez
Rodrigo Paez

Formado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - Escola Paulista de Medicina e especialista em Cirurgia Cardíaca, Cardiovascular, Endovascular e Marcapassos. Adepto da cirurgia cardíaca minimamente invasiva é pesquisador do estudo multicêntrico Bypass, que reune os melhores centros de cirurgia cardíaca do Brasil.

  • Compartilhe este post